O REENCONTRO

Mauro Velasco
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=26524&cat=Er%F3tico&autor=valentina%20fraga

Valentina já não suportava ficar longe dele. Resolveu que precisa reencontrá- lo de qualquer maneira, antes que enlouquecesse de tanta saudade e tesão. Sabia exatamente onde encontrá-lo. Colocou sua roupa mais sedutora, do jeito que ele gostava: as coxas de fora, os seios insinuantes e a silhueta bem marcada dos quadris. Desse jeito ele não resistiria.

Quando abriu a porta, Mauro estava trabalhando em sua mesa, como sempre fazia. Ele a olhou surpreso. Ela simplesmente foi se aproximando dele, numa clara demonstração de toda a saudade que estava sentindo. Ainda não sabia ao certo que desculpa usaria para justificar o fato de invadir sua sala assim, sem mais nem menos. Mas pensou logo e não foi difícil descobrir o que dizer:

— Olha, eu acabei de escrever um poema e queria mostrar pra você — disse ela num sorriso largo e sedutor.
— Poema? — indagou Mauro ainda tentando se recuperar do susto.
— Sim, um poema. Posso mostrar para você o que fiz? Acho que você vai
gostar.
— Claro, claro — respondeu ele.

Ela aproximou-se ainda mais. Agora podia sentir a sua presença bem
próxima, como imaginou durante todo esse tempo. Esse tempo de espera entre os dois acabava tornando esses momentos ainda mais especiais e cheios de vida.

Ela sabia que Mauro também estava com saudade. Sabia que ele a desejava. Sabia que não podia esperar mais.

Ela se curvou bem perto dele, deixando ao alcance da sua mãe aquele corpo sedutor que ele tanto apreciava e desejava.

Valentina notou que o membro dele começou a enrijecer, movendo o tecido da calça. Era isso que ela queria: deixá-lo cheio de desejo.

— Vou mostrar pra você, está gravado no site de literatura onde arquivo meus poemas.
— Você está linda — comentou ele com voz doce e suave. Se ele falasse
mais perto da sua orelha, ela gozaria naquela hora.

Valentina se levantou e fixou seus olhos nos dele.

— Está com saudade de mim? — perguntou.
— Muita. De maneira irresistível.

Ela puxou sua cabeça e a trouxe para entre seus seios. Mauro começou a passar a língua por sua pele macia e alva, sentindo o cheiro daquela mulher que o enlouquecia.

— O que você está esperando? — perguntou ela — Eu vim aqui porque não aguento mais de vontade de sentir seu corpo no meu, seus beijos, suas mãos, seu pau me penetrando e me comendo.

Logo os dois estavam nus e prontos para se amar.

— Ai, que saudade desse pau duro e faminto.
— E eu com saudade de você inteira. Vamos nos amar com o fogo que só
nós dois possuímos.
— Primeiro eu quero dar uma chupada gostosa nesse pau que eu amo.
— Você sabe que me deixa completamente louco quando me chupa. Adoro sua boca no meu pau. Eu fico sem nenhum controle.
— É assim que eu quero você. Na maioria das vezes você já mantém muito o controle para o meu gosto. Quero você completamente descontrolado pra me foder bem gostoso.

Ela se ajoelhou diante dele. Podia tocá-lo, podia senti-lo, podia trazê-lo até a boca.

Mauro estava muito excitado. Seu pau estava muito duro, pulsando sem
controle, com aquela cabeça redonda e grossa, toda rosada, toda exposta para que ela a metesse em boca e sugasse com paixão.
Os dois queriam se entregar.

Precisavam ficar longe um do outro na maior parte do tempo, mas agora
estavam juntos de novo, prontos para o amor, prontos para a foda, prontos para o prazer, prontos para se comerem juntos.

— Aaaaiiiii, você me deixa louco com essa boca no meu pau.

Ela chupava com prazer e sede.

Mauro subia até as nuvens. Mas Valentina também, muito excitada ao ver o seu homem daquele jeito, ficava toda encharcada de tanto tesão.

— Vem, meu amor — pediu ela — Quero sentir sua pica me penetrando bem gostoso. Quero engolir essa pica com a minha outra boca…

Ele viu a mulher que se oferecia com paixão e desejo, aquele corpo que ele tanto desejava, agora bem perto, bem ao alcance da sua pica dura e faminta.

— Você está linda assim, se entregando desse jeito…
— Sou toda sua. Vem, me come gostoso. Mete esse pau em mim.
Ela estava tão molhada que o pau entrou sem nenhuma resistência. Foi
escorregando para dentro da vagina de Valentina até atingir o fundo.
— Isso, meu amor, me come bem gostoso. Mete essa pica que eu adoro.

Mauro a penetrava com vontade, com toda a vontade reprimida ao longo de meses.

Estavam juntos de novo. Eram de novo uma só carne. Estavam de novo
unidos pelos laços da paixão que não se consumia.
— Ai, como é gostoso sentir você dentro de mim.

Valentina rebolava a bunda com aquele pau dentro dela, querendo sentir aquele homem bem no fundo da sua boceta molhada.

Mauro continuava se mexendo dentro dela, com estocadas firmes e fundas, fazendo com que ela gemesse cada vez mais de tanto prazer.

De repente, ele a virou de frente, abriu suas pernas, colocou seus pés sobre os ombros e penetrou-a de novo, agora olhando nos seus olhos enquanto Valentina fazia expressões tesudas de prazer e paixão.

— Isso, meu amor, me fode bem gostoso.

Os dois continuavam se amando com muita vontade. Os corpos se
embaraçavam, tornavam-se um só, no meio de tantos gemidos e sussurros.

Valentina já não aguentava mais:

— Ai, meu amor, eu vou gozar, eu vou gozar.

Mauro respondia:

— Eu também. Estou quase esporrando em você, minha linda.

Então, ele a pegou com força, levantou-a, trouxe-a para perto de si, e lhe deu um beijo bem fundo, as duas bocas se juntando novamente.

Enquanto Mauro a beijava, foi descendo seu corpo sobre o pau, e aquela pica toda dura foi penetrando de novo a mulher completamente entregue ao prazer.

Ela gemia de tanto prazer, enquanto o pau a penetrava, de pernas abertas, nos braços do seu homem.

— Eu quero gozar, eu quero gozar — gemia ela.

E os dois gozaram juntos, a boceta apertando o pau de Mauro, o pau
lançando jatos do leite morno na boceta de Valentina, um gozo guardado há meses, um gozo acumulado e que se satisfazia naquele momento de paixão e loucura.

Depois que terminaram, vestiram-se, e Valentina disse:
— Agora vamos ver o poema.

E leu para ele:

A FLOR DO DESEJO SE ABRE,
COM SUAS FOLHAS SUCULENTAS,
ÚMIDAS DE DESEJO,
MOLHADA COM O ORVALHO PRÓPRIO.
A FLOR DO DESEJO SE ABRE
COM SUA DOCILIDADE,
DESEJANDO SER POLINIZADA,
DESEJANDO RECEBER E DAR.
A FLOR DO DESEJO SE ABRE
COM SUAS PÉTALAS RÓSEAS,
COM A MACIEZ DELICADA
JAMAIS VISTA.
A FLOR DO DESEJO SE ABRE
QUERENDO SER AQUECIDA,
QUERENDO SER ADORADA,
QUERENDO SER AMADA.

Os dois, então, se beijaram longamente. Finalmente, reencontram-se mais uma vez. A flor do desejo se saciara.

Eu e meu irmão o incesto maravilhoso

casal quer sexo e amizades estamos em altamira para altamira pa brasil__658393_9 do blog Contos Verídicos
contosveridicos.com.br

Sonhei sempre em me lançar como uma louca para os braços do meu irmão, mas naquele dia em particular não parava de pensar nele. Ele tinha começado a namorar sério e tinha ouvido, no dia anterior, ele e a namorada a fazerem sexo. Isso me deixou uma vadia desvairada.

Imaginava a relação mais tórrida e incestuosa que qualquer filme porno poderia criar. Me sentia culpada mas não conseguia parar de pensar em estarmos juntos e fazer sexo gostoso.

Neste dia estávamos nós dois sozinhos em casa. Esperei nua na banheira durante 20

minutos, com a porta aberta, esperando para ver se ele tinha coragem de entrar.

Naquela ducha me masturbei intensamente e tive um orgasmo maravilhoso. Queria meu irmão naquela hora dentro de mim.

Acalmei… Jantamos juntos mas não conseguia para de pensar em fazer sexo com ele. No jantar perguntei muito sobre o relacionamento dele com a namorada e fiz até algumas perguntas mais picantes de como ela era na cama mas ele sempre se esquivou das respostas. Meu irmão foi sempre muito tímido.

Fui para o quarto e novamente comecei a imaginar como seria ser comida, por inteiro, pelo meu irmão. Tenho 19 anos ele está com 22 só tive duas relações sexuais até lá.

Imaginei ele me comendo de 4 e comecei a passar creme no meu corpo.  O meu dedo percorria todo o meu corpo e comecei a pressionar com força na minha buceta. Senti vontade de ser a puta dele. Queria que naquele momento ele tivesse penetrando meu cu.

Nunca tinha feito isso, só deixei meu último namorado penetrar com os seus dedos o meu rabo, mas queria uma vez experimentar. Passei creme e penetrei com força o meu cu.

Estava louca de tesão e gozei deliciosamente.

Passou o tempo e fui dormi. Enquanto estava na cama novamente me veio uma vontade louca de ser penetrada pelo meu irmão. Passei dos limites e perguntei se ele poderia vir dormir comigo que estava com muito medo, por causa do assalto que tinha sofrido a 3 semanas atrás. Ele sentou do meu lado e disse que já estava bem crescida para sentir medo e que já deveria ter superado aquilo.

Mesmo assim pedi que ficasse um pouco comigo. Ele deitou junto de mim e eu abracei seu corpo com muita força e disse que ele me dava muita segurança. Estava com um pijama

quase transparente. Ele sentiu esse abraço forte e quente e tentou disfarçar.

Comecei abraça-lo mais forte e tentei beija-lo. Ele disse “Bem é melhor ir para o meu quarto para me acalmar.” Disse que estava louca por ele e que não conseguia parar em ter uma relação sexual com ele. Apertei com força seu pau e disse que ninguém precisava saber o que iria acontecer. Ficaria só entre os dois e queria ser comida com força por ele.

Ele ainda relutou mas não aguentou, foi maravilhoso, depois de algumas preliminares, não conseguia sentir carinho por ele, queria apenas que ele me comesse como um animal. Pedi para que ele me colocasse de 4.

Ele começou a enfiar forte o seu caralho na minha buceta enquanto me batia com força deixando minha bunda toda vermelha. Enfiou o seu dedo no meu cu. Pedia desesperadamente para ele enfiar com mais força.

Puxou meu cabelo e pedi para que me chamasse de puta, vadia e o que ele quisesse. Ele atendeu meu pedido e me chamou de vagabunda. Foi tão bom.

Ele encheu minha buceta de porra e me senti uma vadia por completa. Não consigo

descrever como gozei gostoso. Em comparação com os outros dois, por incrível que pareça, foi muito melhor. Senti me nas nuvens. Ele pediu para sair do meu quarto pois estava muito confuso e queria pensar. Eu por momentos também tive um sentimento de culpa mas depois passou foi sexo por sexo e meu irmão foi maravilhoso.

Tive mais duas relações com ele antes de me mudar para o Rio de Janeiro. Uma delas irei contar num outro conto pois foi sensacional.

(Autor Desconhecido –

http://contosveridicos.com.br/eu-e-meu-irmao-o-incesto-maravilhoso/)

A MINHA MULHER MADURA

 

Está uma tarde linda. Eu tinha conseguido essa casa prá gente se encontrar. Abri as janelas e o sol tomou conta do ambiente, junto com uma brisa fresca e agradável. Logo ela chegou , a minha amada,  paixão e amante.Meu desejo e minha loucura.

Eu a conheci numa sala de bate-papo e durante um tempo vivenciamos uma cumplicidade virtual que se transformou em uma louca paixão. Fizemos sexo virtual e por telefone, me masturbei muitas vezes ouvindo ela me dizer coisas loucas cheias de tesão.

Veio a necessidade de nos conhecermos. Ela não se importou quando soube que eu não era mais jovem, não era bonito e usava óculos. Nosso tesão é assim : mais forte que um simples tipo físico. Tampouco eu liguei que ela fosse madura, gordinha, tivesse netos e pintasse os cabelos para esconder os fios brancos.

Quando nos conhecemos,nada mais passou a importar.Nos incendiamos : enlouqueci com aqueles lábios sedentos em loucos beijos que o seu marido já não queria mais.Ela reacendeu em mim o jovem fogoso como nenhuma outra mulher antes havia feito.

Chupei, lambi e mordi seus seios fartos, que , se não eram tão firmes, se arrepiaram na minha boca e mãos. Me esfreguei nela, alucinado, como se fosse a última foda da minha vida, enfiando o dedo na sua buceta molhada. Chupei, lambi e beijei  cada pedacinho de sua pele, as nádegas um pouco caídas, os seios flácidos,a barrigona deliciosa, a papada sob o queixo, mordisquei sua celulite.

O meu tesão era fazer ela gritar de prazer, gemidos altos que ecoavam pela casa. Ela me disse que quase gozou com meus beijos, isso me enlouqueceu. Eu me arrepiei com seus dentes em minha língua.

Ela alisou o meu pau, docemente, me levando aos céus, eu olhei sua cara de safada, de fêmea, minha mulher madura tão puta e tarada, eu a encarei, a comi com os olhos. Lambi os mamilos ,mordisquei, suguei loucamente  enquanto ela acariciava meus cabelos. : “isso, amor, chupa gostosinho”, ela dizia., gemendo. Alternando entre os lábios, mordidas no pescoço e orelhas, lambi seus seios, mordendo de leve, chupando longamente, enquanto ela gemia. Enquanto isso, massageei seu grelinho duro, com suavidade mas força. Ela estava encharcada quando enfiei dois dedos nela, gemia cada vez mais alto. Com a língua e boca chupei ruidosamente os biquinhos duros,arrepiados. O que deu a ela um tesão louco, molhando meus dedos e eu fiquei sentindo o grelinho pulsar suavemente.

Ela massageou minhas costas, bunda e pernas foi até aos pés. Me manteve firmemente de bruços, mantendo o pau duro apertado contra o tapete. Estava dolorosamente gostoso. Ela subiu em mim como em um cavalo, sobre minhas ancas. Senti a xoxotinha molhada e quente nas minhas costas. Ela estava me matando de tesão. Ela se deitou sobre mim, beijando minha nuca e esfregando os seios nas minhas costas. “estou com tesão “ ela disse “meus seios estão durinhos, tô molhadinha “.

Veio descendo, se esfregando até a bunda, Virou-me de barriga para cima . O pau estava duro, um pouco vermelho. Ela lambeu, gemendo, chupou a cabecinha, o saco, mexendo louca com a cabeça, colocando-o todo na boca, enquanto eu me contorcia e gemia. Punhetou com  a boca, eu estava quase gozando..Mas ela apertou o pau contra a barriga, alisando-o e veio subindo, até encostar o grelinho duro nele e esfregando. Encaixou a buceta de lábios grossos  e molhada no meu pau, e quase juntos, gritamos : “que tesão ! “.Seu rosto estava vermelho, os seios enormes balançavam enquanto ela me cavalgava, se movia sobre mim, ora o dorso, ora os quadris. Nos movíamos no mesmo ritmo e eu entrei todo nela, dando estocadas de baixo pra cima, cada vez mais rápido, delírio, loucura, tesão, até perder os sentidos e gozar dentro dela,esporrando loucamente naquela buceta gostosa . Continuei dando estocadas mais espaçadas até parar, pulsando dentro dela involuntariamente., sentindo minha fêmea apertar e soltar meu pau com a buceta prá me dar mais prazer.

Nas eu queria que minha mulher madura gozasse comigo, ela me abraçava beijava e falava sacanagens no meu ouvido .Sempre molhada, até quando pensava em mim. Vendou meus olhos, esfregou-se em mim. Senti sua umidade se espalhando pela minha barriga,pescoço, queixo. Senti seu cheiro de fêmea bem junto do meu rosto, ela esfregava a xana na minha cara Estiquei a língua, toquei só com a pontinha da língua sua buceta quente. Ela me pediu pra ouvir. Começou a se masturbar bem junto do meu rosto. Ouvi seus gemidos, suspiros, apelos, promessas.Gemia escandalosamente, ouvia o ruído de suas mãos esfregando seu grelo, de seus dedos penetrando a buceta encharcada. Então empurrou a buceta contra minha boca, me deixando sugar seu grelo até gozar escandalosamente .

Depois me beijou carinhosamente e me abraçou bem forte e gostoso. Estava anoitecendo, precisava ir embora, tinha os netos, a casa, o marido e eu tinha a minha família. Só podíamos nos encontrar à tarde, quando levávamos as crianças para a escola. Me disse que morria de vontade que eu comesse o seu cuzinho e gozasse na sua boca.