As melhores promoções no Melhores Baladas

Por Melhores Baladas Prestes a inaugurar um dos maiores portais de balada do Brasil, o Melhores Baladas já está bombando nas promoções. Sempre, claro, com atendimento vip porque exclusivo. O negócio é aproximar parceiros de consumidores com valorização de ambas as partes. Até porque, esquema por esquema, as condições de lista são iguais para todos […]

Delirios na boate

Estava em casa quando um amigo liga-me convidando para encontrá-lo.
Fiquei sem saber o que dizer e acabei aceitando. O estranho disso tudo foi o lugar marcado: uma boate. É estranho ir ao uma boate pela tarde, mas acabei gostando da idéia no final de tudo.
Cheguei lá três horas depois da ligação. Estava fechada, mas encontrei uma porta aberta pela lateral. Olhei para dentro e avistei meu amigo. Entrei.
Ele estava no bar, tomando um drinque e conversando com o garçom, não
avistei mais ninguém. Ele acena para aproximar-me. Oferece um drinque e o garçom logo coloca sobre o balcão. Seus olhos percorriam meu corpo. Eu usava um vestido preto de alças, frouxo, um pouquinho curto e com um decote em “V” muito provocante e isso seus olhos logo souberam.
Conversamos por um longo tempo, quando uma música começa a tocar. A
música me deixou louca, seu ritmo era sensual e misterioso. Então comecei a dançar. Ele ficou olhando-me, Olhei para ele um pouco encabulada. Andei em sua direção e falei ao seu ouvido que iria dançar para ele. Lembrei do garçom,mas ele não se encontrava mais. A música continuava. Dancei lentamente, o ritmo da música, tocando-me e olhando-o fixamente, com um olhar cnvidativo.
Ele tenta tocar-me, mas não deixo. Uma idéia surge. Pedi que levantasse, esse o fez. Peguei o banco e coloquei no meio do salão e fiz com que sentasse,então comecei a danaçar. Uma dança provocante, sensual, fiquei tocando-o com as mãos, com meu corpo. Fiz com que sentisse meu corpo, minhas ondulações, sentisse meu cheiro, passava a língua no seu pescoço, enquanto minhas mãos brincava no seu corpo. Ele tentou tocar-me diversa vezes mas não deixei. Ele fez uam cara de magoado, mas com muito tesão. Dancei por mais alguns minutos.
Quando parei de dançar, sentei no seu colo de costas para ele, fiquei
pressionando minha bundinha contra seu membro que estava duro. Ele
toca-me, do pescoço, descendo para os seios, pegando-os com força, depois desceu para minha barriga e levemente foi descendo pelo caminho da perdição, sinto sua mão tocando, por cima do vestido, meu sexo, passando os dedos docilmente e depois com um pouco de força, como se querendo rasgar todo o tecido. Levanta meu vestido e toca-me. Estremeço com seu toque e solto um gemido baixinho. Ele afasta minha calcinha e acaricia-me com os dedos, passando-os pelo clitóris, nos grandes lábios e devagarinho vai enfiando um dedo e a cada instante que ele entrava meu corpo estremecia. A vontade de tê-lo dentro do meu corpo é grande, peço, suplico para que seu pênis entre em mim. Ele olha com um ar triunfante e leva-me para o bar. Ele
deita-me na mesa do bar, suas mãos começam a percorrer meu corpo e retiram minhas roupas. Seu olhar corria pelo meu corpo que brilhava com o jogo de luzes.
Sua língua tocou amavelmente meus mamilos rosados depois desceu para
região pubiana que parecia uma selva negra. Sua boca ficou enterrada na mata, sentindo os pêlos arranharem seu rosto. O cheiro forte exaurindo o deixa com um selvagem. Puxou-me para si. Coloquei minhas pernas em torno da sua cintura, abaxei sua calça e sua cueca. Lambi minha mão e peguei no seu pênis, fazendo uma breve masagem e com isso o deixando molhado e muito excitado, depois disso, ainda com seu pênis em minhas mãos, coloco na minha vagina e com as pernas em sua cinturao pressiono contra mim, entrando devagarinho e depois de uma vez. Começamos lentamente e depois o ritmo acelerado e mais violento. Depois de algum tempo, ambos gozam. Os gemidos altos e a respiração ofegante.
Fiquei deitada na mesa, enquanto ele vestia sua roupa e pegava uma bebida. Olhei para o relógio e já estava na hora de ir. Vestir minhas roupas. Ele oferece uma carona e aceito.
Antes de descer do carro, olhei para ele e falei ao seu ouvido, pegando entre suas pernas: _ Da próxima vez você terá uma coisa melhor ainda. Dou uma risada bem insinuante e saio do carro. Sei que ele adorou minha insinuação. Ele fala pela janela: _ Veremos.

Conheci a Bianca na Balada

Meu nome é Bruna, tenho 21 aninhos, sou gaúcha, porém atualmente moro no Rio de Janeiro, sou loira com 1.68 de altura, magra, corpinho malhado de muita academia e pele bronzeada, pois amo praia.

Comecei a curtir garotas quando tinha 17 e desde então n parei mais. O fato que vou narrar ocorreu quando eu tinha 18, até então eu tinha namorado uma guria mais o nosso namoro n acabou bem e eu tava muito mal, foi quando eu conheci a Bianca, ela mudou a minha vida e me tornou essa safada que eu sou hoje na cama rsrs. A Bia é uma garota de programa mais na época eu n sabia, e mesmo depois quando soube continuei tendo um tórrido romance com ela, vou contar como a conheci e como foi esse 1º encontro inesquecível.

Nessa época eu ainda era meio inexperiente e inocente, havia perdido a virgindade há pouco tempo com a minha ex e só havia transado com ela até então. Como eu estava muito mal pelo término desse namoro, uma amiga, tentando me animar me convenceu a ir ao niver de um playboyzinho enjoado que seria numa boate muito badalada. Eu n estava a fim de ir mais como ela ficou insistindo acabei cedendo.
Chegando lá o jeito foi encher a cara pra tentar se divertir um pouco e esquecer os problemas já bem altinha fui pra pista dançar com a minha amiga, logo vários caras começaram a aparecer nos cantando, eu dispensava todos, a minha amiga acabou se interessando por um e ficou lá se agarrando com ele e eu continuei curtindo e dançando sozinha, os caras continuavam a se aproximar mais eu travava logo de me afastar, até que assim do nada sinto alguém me enconchando por trás já ia virar pra xingar o atrevido mais uma mão segura a minha cintura e uma voz muito sensual no meu ouvido diz:
– Vira não linda, deixa eu te sentir mais um pouco. – pronto desarmei né, apesar da curiosidade em virar e ver quem era aquela guria com aquela voz tão gostosa acabei atendendo ao seu pedido deixando ela me encoxar gostoso do jeito que estava fazendo enquanto dançávamos.
Fora isso eu podia sentir sua respiração bem próxima a minha nuca e às vezes ela dava uma mordida bem de leve no meu pescoço me deixando toda arrepiada. n demorou muito para que a nossa dança sensual chamasse a atenção dos rapazes, que ficaram feito urubus em volta da gente. Ela então pegou a minha mão e saiu me puxando para um canto mais reservado e sem muita iluminação.
No caminho a única coisa que eu tinha reparado é que ela era um pouco mais alta que eu e que também era loira mais quando paramos e ela me encostou na parede e colando seu corpo junto ao meu me olhou nos olhos, nossa eu quase pirei de tão linda que ela era mais o que mais me chamava a atenção em seu rosto eram seus lábios carnudos e vermelhos.
Fiquei morrendo de vontade de senti-los, sugá-los e morde-los. Ela n me fez esperar muito e já foi invadindo a minha boca com a sua língua ágil e experiente me tomando num beijo cheio de desejo ela explorava todos os cantos da minha boca e então ela prendeu a minha língua entre seus lábios e começou a sugá-la como se fosse devorá-la, no final jogou minha cabeça para traz e deu uma lambida do meu pescoço até o queixo parando na minha boca mordendo de leve o meu lábio inferior puxando-o um pouco para si.
Nossa aquilo me deixou morrendo de tesão, nunca ninguém havia me beijado daquele jeito. Ela se aproximou do meu ouvido com aquela voz deliciosa dizendo:
– Aposto que está toda molhada.
Nem respondi, a guria foi se ajoelhando e começou a morder, lamber e arranhar as minhas coxas e foi subindo o meu vestido e eu fui ficando cada vez mais sem reação. ela afastou um pouco mais as minhas pernas e então começou a lamber a minha virilha enquanto suas mãos apertavam com força a minha bunada.. n resisti e comecei a soltar os meus primeiros gemidinhos, aquela guria estava me fazendo perder a noção de tudo.
Ela então deu uma lambida bem lenta e provocante por cima da minha calcinha passando por toda a sua extensão. Aquilo fez meus joelhos até fraquejarem e quase que n paro em pé se ela n me segura. Nem com a minha ex que eu amei muito eu havia ficado tão excitada assim. Como eu estava com uma calcinha bem fininha e minúscula que era pra n marcar o vestido que era bem colado no corpo.
Ela nem teve dificuldades e me pegando de surpresa rasgou e arrancou a minha calcinha. Aquele gesto me deixou ainda mais com excitação e n segurei outra vez o gemidinho que teimou em sair. Ela começou a passar o dedo pela minha abertura. E com a unha arranhava de leve o meu clitóris.
Nessa altura eu já estava bem molhada e me contorcia cada vez mais com as suas carícias. Ela pegou uma das minhas pernas colocando-a sobre seu ombro e foi se aproximando do meu sexo parecendo que queria aspirar todo cheiro que exalava dele. E eu sentia a sua respiração ali quase dentro de mim e ela respirava bem forte parecendo querer me provocar ainda mais.
Eu já n estava agüentando tanta tortura. Parece até que ela leu o meu pensamento, pois segundos depois ela caiu de boca na minha bucetinha sem dó. Me sugando, me chupando, me devorando inteira. Ela começava bem devagar, com carícias leves, passando a língua todinha de cima pra baixo. Depois ela se concentrava no meu grelinho, o prendia entre seus lábios e o sugava com força e quando ela fazia isso eu gemia feito uma puta pra ela. Então ela parava e o lambia bem devagar em movimentos circulares. Eu já totalmente fora de mim comecei a rebolar freneticamente de encontro à língua dela.
Então ela se posicionou um pouco melhor. Me abriu ainda mais e enquanto massageava o meu clitóris com os dedos, passou a me foder com a língua, enfiou ela todinha em mim e começou num vai e vem gostoso demais. Eu já estava quase gozando e gritava feito uma doida, ainda bem que a musica rolava bem alta. Ela parou de meter com a língua e voltou a sugar o meu grelinho e ficou com dois dedos acariciando a minha entradinha e sem eu esperar meteu de uma vez só e bem fundo até a minha bucetinha engolir eles todinhos. Só aquela invasão me fez quase gozar.
Então ela começou a estocar num ritmo lento e depois foi aumentando ela n parava de me chupar também. E eu já n agüentando mais segurei bem forte em seus cabelos apertando mesmo. Nesse instante ela meteu ainda mais rápido e forte e quando meu corpo começou a estremecer todinho ela tirou os dedos de mim e voltou a me invadir com a sua língua, lambendo todo o meu gozo, bebendo tudinho e me deixando limpinha outra vez.
Nessa hora parece que eu voltei um pouco à realidade sabe e dei de cara com um rapaz se masturbando feito louco assistindo aquela cena toda, na hora entrei quase em desespero e fui falando pra ela do cara e ela na maior calma do mundo foi baixando o meu vestido, a calcinha já era mesmo por que ela rasgou né, e foi se levantando esfregando bem o seu corpo em mim enquanto subia. Foi lambendo meu pescoço até chegar a minha boca e meu deu um beijo de perder o fôlego e depois falando no meu ouvido enquanto mordia de leve a minha orelha:
-Sente o teu gosto que delícia.
Só aquilo já estava me deixando excitada de novo mais dai me lembrei do rapaz e ele ainda n tinha saído do lugar e falei outra vez pra ela que tínhamos companhia. Ela olhou por alguns instantes pro rapaz depois virou pra mim e com um sorriso malicioso estampado no rosto disse:
– Parece que apreciaram o nosso showzinho.
Nem deu pra responder por queela me deu outro daqueles beijos que me faziam perder os sentidos, então ela pegou minha mão outra vez e saiu me puxando pra fora da boate. Bom é claro que a noite não terminou por aí, assim que saímos da boate ela me levou para o ap dela, chegando lá eu tive uma das melhores transas da minha vida em que fui completamente dominada por ela, mas isso eu relato no próximo conto.
Conto erótico recebido por email – autora anônima