shortinho

A MULHER DO COLEGA

Eu sou formado em contabilidade fiscal e trabalho como auditor nas várias filiais da empresa que trabalho que não vou dizer o nome por motivos óbvios, e quando vou fazer auditoria nas filiais eu fico até 6 meses as vezes indo e vindo a essa filial até acabar toda a auditoria, e quando fui fazer auditoria na filial de Curitiba, fiz amizade com bastante gente mas em especial dois funcionários o Renato, uns 40 e poucos anos, muito simpático mas bem reservado e o outro era o Fabricio, um pouco mais extrovertido, Logo nos tornamos amigos, e eles me convidavam para jogar um futebol de fim de semana quando eu não voltava pra minha cidade.

O Eu e Fabricio éramos separados por isso sempre que dava a gente saia juntos para um happy hour comigo e outros coordenadores, mas o Renato por ser casado saia pouco bem menos, mas eu estava sempre em contato com ele, porque ele entendia muito de informática e eu precisava dos serviços dele direto,.. então desenvolvemos uma amizade legal e às vezes ele me convidava para jantar em sua e foi assim que conheci a mulher delq que se chamava Aline uns 35, logo a primeira vista notei que ela era uma mulher gostosa, estatura alta 1,75, seios firmes, quadris mas logo que a vi achei que ela tinha uma carinha de safadinha, mas podia ser apenas impressão;


Nos dias seguintes, durante uma das nossas  happy-hour de costume, estava só eu e o Fabricio, comentei que tinha conhecido a Aline mulher do Renato, comentei que achei ela gostosona, então o Fabricio deixou escapar que conhecia a Aline intimamente, perguntei o quanto intimamente? Dai o Fabricio me falou que já tinha pegado ela, e completou que ela reclamava que o  Renato não era do tipo romântico, que era um verdadeiro D.V.D., Dá uma Vira e Dorme, e que ela mesmo disse-lhe que ele não foi o único com quem ela tinha saído…. curioso eu quis saber como foi que ele e ela, primeira vez e coisa assim, foi então que ele me falou que ele morou nomes prédio, apartamento vizinho ao deles e por serem colegas de trabalho tudo acabou acontecendo naturalmente, e que eles trepavam sempre que o Renato saia, ela descia no apartamento dele ou ele ia no dela, disse ainda que a Aline era muito carente nesse sentido porque ela gostava de sexo bom e o Renato era devagar quase parando, coincidência ou não depois  que ele me contou tudo isso eu passei a ir mais vezes na casa deles sempre que o Renato me convidava eu estava pronto, comecei a me interessar mais pela Aline, provavelmente influenciado pelas palavras do Fabricio, comecei a reparar nela mais aquele jeitinho de safada, mas ela nunca deu bandeira abertamente, até então eram só trejeitos, mas quando eu pensava melhor, achava que talvez o Fabricio estivesse mentindo, poderia ser só papo dele uma forma de contar vantagens, mas pelas minhas visitas constantes, acabei me aproximando mais dela que era bem comunicativa já o Renato era bem reservado e não conversava muito Ela me comentou que ela gostava de papear comigo enquanto ele estava no computador porque quando ele ficav ano computador ela se sentia muito sozinha….. numa ocasião ela me elogiou, disse que até que eu era bonito, que gostava da minha barba bem cuidada, e completou que que minha mulher era uma mulher também deveria adorar, respondi que era separado, e eu aproveitei e retribui dizendo que eu também a achava linda e sensual… mas ficou só nisso;

Eu já tinha completado uns dois meses ali, e numa sexta feira depois do serviço  o Renato como sempre fazia, me convidou para jantar na casa deles,  e depois do jantar ficamos até tarde por causa da chuva la fora, como chovia muito, eles insistiram para que eu dormisse ali mesmo, acabei aceitando já cheio de intenções naquela noite dormi imaginando aquele  corpo apetitoso no quarto ao lado, isso me deixou com muito tesão…
na manhã seguinte dormi até umas 9 horas e quando acordei, me vesti fui lavar o rosto e escovar os dentes, e depois fui pra cozinha e quase tive um surto quando vi a Aline preparando o café vestida uma camiseta e  um shortinhos que era mais uma uma calcinha, de um tecido quase transparente deixando transparecer uma calcinha minúscula que usava, ao me ver ela com aquela carinha de safada me deu bom dia e me perguntou se eu tinha dormido bem ….Eu respondi, com ar tímido que sim … e ao perceber que estava queimada de sol, ainda com a marquinha do biquíni eu a devorei de cima a baixo…
eu não sabia como agir, parecia que ela queria me torturar…como se fosse normal uma mulher apesar de estar em sua casa, receber um cara vestida apenas com uma roupinha de dormir.

Enquanto ela preparava o meu café…. Eu não tirava os olhos da sua bunda e também de todo o resto do seu corpo, aquela situação me deixava a ponto a ponto de me explodir de tesão…. perguntei do Renato  e do menino, ela me disse que o Renato tinha ido jogar bola com amigos como fazia todos os sábados e que ele sempre levava o menino pra assistir porque ele gostava e brincar com amiguinhos filho dos outros amigos jogadores, e que o Renato não quis me acordar.

Diante daquela possibilidade meu  pau estava duro que nem pedra, quando ela se abaixou para me servir o café.. com a xicara na mão, ela olhou para mim e disse ” aquele lá só pensa em trabalho e futebol, (referindo-se ao Renato), e completou, você também é assim? Claro que não né… então ela se aproximou de mim e ficou na minha frente, com o pretexto de colocar a xicara e o açúcar de forma que seus seios quase tocaram eu rosto,  esse movimento fez com que eles quase tocasse em meus lábios…  fiquei tonto de tanto tesão que arrisquei tudo quando a puxei para mim e a coloquei em  meu colo, eu poderia

até levar um fora mas não, ela ao entir meu pau duro comprimindo sua xoxota prontamente aceitou minhas caricias e  comecei a beijar sua boca, enquanto alisava, e apertava suas coxas.. nos beijamos alucinadamente cheios de tesão… isso fez com que ela ficasse molhadinha na hora, senti isso quando levei a mão dentro da calcinha dela, e depois de alguns beijos e amassos o nosso tesão era tanto que acabamos transando ali mesmo no sofá da sala, mal tínhamos gozado ouvimos um barulho de passos no corredor como se alguém estivesse chegando, mas devia ser um vizinho porque o barulho parou, como a gente já tinha gozado eu fui embora porque o Renato poderia chegar a qualquer momento e eu não queria estar lá, me sentia meio culpado.


Na segunda feira no meu trabalho eu não parava de pensar nela, porque foi uma foda rapidinha com medo de que  alguém chegasse eu ainda estava com muito tesão, não conseguia me concentrar.. 

inventei uma desculpa de que não estava me sentindo muito bem e saí, eu sabia que o menino estudava cedo então em pouco eu já  estava no apartamento de Aline.. interfonei ela abriu a porta de baixo e eu entrei e subi.., quando cheguei ao apartamento a porta já estava aberta, nem nos falamos.. logo que entrei, ela trancou a porta e nos atracamos em beijos nos beijamos muitas e muitas vezes.. eu não estava mais aguentando de tesão, e ela estava trajando apenas um short jeans e uma camiseta, abri o short dela quase que selvagemente, baixei o shortinho e a calcinha juntos e ainda beijando-a como louco, invadi sua buceta com três dedos, senti sua umidade e sua excitação, e ela contorcia-se toda no ritmo dos meus dedos que a tocavam.. masturbei-a delicadamente e depois com muita vontade, ela começou a gemer e era uma delícia saber que os gemidos dela eram provocados pelas minhas mãos, em seguida a carreguei abraçada ao meu pescoço até o quarto arranquei-lhe a camiseta e logo ambos estavamos nús, ela veio por cima de mim, chupando meu pescoço, meu peito e me lambendo todo mordiscando meus mamilos até avançou em direção ao meu mastro e me masturbou com uma maestria tal que me deu muito prazer, depois  lambeu e chupou o pau, as bolas, senti arrepios pelo corpo todo, estava quase gozando, mas não queria gozar ainda…. Estava louco de tesão e a fim de chupa-la também virei-a de costas e comecei a lamber-lhe toda a extensão da sua coluna cervical, agarrei-a pelos quadris levantei-a de forma que ela ficasse com a bundinha arrebitada, abri-lhe as nadegas e dei uma pincelada no cuzinho, ela tremeu toda, lambuzei seu reguinho com a minha saliva… alternei  pra entradinha da sua buceta … cheiro delicioso de sexo, de fêmea no cio que estava toda ensopada de tanto tesão… seus liquidos  lambuzavam minha cara, … eu lambia os pequenos lábios… depois apertava-lhe  o grelinho com a língua, e os sugava pra dentro da minha boca… mordiscava bem  de levecusando-lhe misto de dor e prazer… Ela parecia alucinada, não falava coisa com coisa… só se contorcia e gemia de tesão… em seus sussurros dizia 
– Me faz sentir prazer. me chupa não para  
Eu chupava, apertava, lambia e mordia toda a extensão da buceta , dava tapas na sua bunda…de repente… enfiei dois dedinhos no seu buraco anal enquanto eu chupava,  ela teve um gozo instantaneo… seus liquidos jorraram em minha boca, para a seguir deita-la de barriga pra cima abrir suas as pernas e encaxar meu pau na sua racha quente e molhada, Fui enfiando meu pau, estocando e aumentando os

movimentos furiosamente, para  em seguida mais  devagar numa especie de ritual, e ela mexia  os quadris como se buscasse mais prazer, era puro desejo, quando e eu senti que ia gozar virei-a e pedi que ficasse de quatro… segurei seus quadris e fodemos ao ritmo do nosso tesão, nessa posição cachorrinho, enquanto enfiava meu pau naquela boceta passei a morder sua orelha e a segurar seus peitos puxando-a contra mim pelos cabelos  senti meu corpo estremecer , me contorci, vi tudo rodando e gozei, fartamente dentro dela. 

Ela cansada de ficar de quatro deitou-se de bruços e ainda atracados, deitei-me por cima dela, de pau duro que não amolecia de jeito nenhum porque queria mais, algum tempo depois, recomeçamos…, ajeitei-a de bruços na cama com travesseiros embaixo dela pra levanar sua bundinha e facilitar minha intenção de comer aquele rabo gostoso que eut anto desejei, ela não negou-me aquele prazer tambem, e aquela impressão minha de que ela era safada veio a se confirmar, ela era uma gostosa e safada.

Depois dessa foda, voltei a tarde pro meu trabalho, disse que eu tinha tomado remédios e que estava melhor, fiquei ainda um mes na filial de Curitiba, e foi um mês que eu arranjei todos os pretextos pra visitar a Aline  muitas outras vezes.

Depois vivenciamos algumas outras aventuras mas por ser outra cidade ficava dificil, mesmo porque eu tinha outras namoradas eventuais na minha propria cidade, digamos que foi muito bom enquanto estive lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *